16 de jun de 2008

Pato rejeita o rótulo de ídolo

Aos 18 anos, Alexandre Pato ainda não se considera um ídolo do futebol brasileiro. Apesar de todos os holofotes, o atacante mantém os pés no chão. Ele acha que precisa conquistar títulos e resultados para ganhar o rótulo da mídia e dos torcedores.

- Quero ser um dia um grande ídolo e chegar aos pés de outros jogadores que brilham atualmente. É cedo.

Após apenas 27 jogos como profissional, Pato se transferiu para o Milan. O atacante já era campeão mundial de clubes pelo Internacional em cima do Barcelona. Mas o jogador não considera que queimou etapas na carreira e está amadurecendo normalmente.

- Nada foi forçado. Aprendi muito com jogadores mais velhos. No Milan há muitos ídolos lá do meu lado.

Pato não está ansioso para fazer o primeiro jogo pelas eliminatórias pela seleção brasileira. Aos 18 anos, o atacante admite que os titulares são Robinho e Luis Fabiano. E Adriano tem muito mais experiência com a camisa canarinho.

- Vou fazer o melhor para aos poucos conquistar o meu espaço na seleção. Estou muito contente pelo reconhecimento que tive com o Dunga. Tenho muito tempo ainda pela frente. Não preciso ter pressa - disse Pato, que tem uma admiração especial por Robinho. - Ele é um grande craque, uma ótima pessoa e pode decidir um jogo quando quiser - completou.

Enfrentar a Argentina não será uma novidade para Alexandre Pato. Ele esteve no grupo que classificou o Brasil para as Olimpíadas de Pequim, na China. E foi campeão sul-americano sub-20 com vitórias em cima do rival.Contra a Argentina na fase final, empate por 2 a 2 .

- Eles são duros e maldosos. Mas a seleção tem a malandragem também. Temos que vencer a Argentina para apagar aquele resultado negativo contra o Paraguai.